COMO A EDUCAÇÃO DIGITAL PODE SE ALIAR À APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA?

CAROLINA BRANT, DESIGNER PEDAGÓGICA DA GEEKIE, FALA UM POUCO SOBRE COMO A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO DIGITAL PODE SE ALIAR À APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. LEIA!

Na Geekie, a Educação Digital está pautada em um tripé composto de riscosdesafios oportunidades que o mundo digital proporciona. Além disso, a disciplina vai além da mera formação para a cidadania digital. Junto com o aprendizado que envolve disponibilizar insumos para o alcance dessa cidadania, está também a intenção de fazer com que essa seja uma aprendizagem significativa e aplicável ao dia a dia de cada estudante.

Educar para a cidadania digital vai além da simples compreensão de conceitos. Não é apenas fazer com que se entenda, por exemplo, o que são pegadas digitais. Mas é fazer que sua relevância e importância sejam vistas e compreendidas na prática. Ou seja, que estudantes reconheçam que pegadas digitais influenciam na forma como cada pessoa é vista na internet e como a reputação on-line (que pode influenciar em um futuro emprego, relacionamento ou vaga acadêmica) é construída diariamente por meio desses rastros digitais que deixamos e que devem ser monitorados por cada um.

Para nós, é importante saber reconhecer quando se está diante de fake news. E, mais importante, ainda, é ter senso crítico diante de qualquer informação que esteja disponível. Relevante mesmo é saber o que compartilhar, saber como agir e saber quando algo é realmente útil para a construção do seu próprio aprendizado e o de sua turma ou quando é apenas parte de um movimento que só gera mais conflito e segrega opiniões na rede.

Ser crítico diante de informações é essencial, ainda mais quando é apenas parte de um movimento que só gera mais conflito e segrega opiniões na rede.


É POSSÍVEL A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM EDUCAÇÃO DIGITAL?

Possibilidades não faltam nessa esfera. Tomando por base que a memória associa melhor a aprendizagem quando ela vem acompanhada de um significado, trazemos para a sala de aula casos reais e próximos à vida de cada estudante de Educação Digital.

Fazendo uso de metodologias ativas, abrimos espaço para discussões sobre fatos reais, que poderiam ter acontecido na vida dos próprios alunos ou de pessoas muito próximas. Esses casos agregam valor não só ao que é aprendido, mas impulsionam o protagonismo e a aprendizagem colaborativa dentro da sala de aula.

Com isso, faz-se possível desenvolver, claramente, outras competências bastante relevantes na formação de estudantes, reconhecidas, inclusive na BNCC. Vemos, por exemplo, o exercício da empatia, do diálogo, o desenvolvimento de pensamento crítico, da cooperação e capacidade de resolução de problemas.

As metodologias ativas impulsionam o protagonismo e a aprendizagem colaborativa dentro da sala de aula.


ESSA APRENDIZAGEM ESTÁ RESTRITA ÀS AULAS DE EDUCAÇÃO DIGITAL?

A formação da cidadania digital não se restringe às aulas de Educação Digital e nem mesmo pode se dizer que a aprendizagem significativa esteja restrita à disciplinas “inovadoras” ou não tão comuns.

Trazer significado para a sala de aula é possível em qualquer disciplina e os resultados são gratificantes. Conhecer o universo dos estudantes e exercer uma escuta ativa sobre suas necessidades é um dos caminhos a se seguir, que proporciona a aproximação e o diálogo. Já trouxemos aqui no InfoGeekie vários exemplos de aprendizagem significativa em diversas disciplinas, em diferentes escolas, usando variadas metodologias. Que tal se inspirar em algumas e testar algo novo em sua turma? E, se quiser, compartilhe conosco como foi essa experiência!

Leia mais…

* Carolina Brant é Designer Pedagógica da Geekie, bacharel em Direito com LL.M. em Direito Empresarial e está cursando o programa de certificação em Social-Emotional Learning and Character Development pela Rutgers School of Arts and Science em parceria com College of Saint Elizabeth. Tem experiência com Direito da Tecnologia, apaixonada por educação, encontrou seu caminho contribuindo para o time de Educação Digital da Geekie.

DESIGN THINKING NA APRENDIZAGEM PERSONALIZADA

DESDE PEQUENOS, SOMOS ENSINADOS A CRIAR E IMAGINAR. QUANDO CRESCEMOS, TUDO MUDA. MAS COMO CONTINUAR ESTIMULANDO A CRIATIVIDADE? PAULA GONÇALVES FALA SOBRE A ABORDAGEM DO DESIGN THINKING NA APRENDIZAGEM PERSONALIZADA. LEIA AGORA!

A nossa capacidade de criação é um dom que nos diferencia como humanos. Como praticamos essa habilidade desde os primeiros dias de vida, nada mais lógico do que na fase adulta sermos verdadeiros experts em criatividade, certo? Pois é, provavelmente não. 

Por muitas causas e influências, limitamos nossa capacidade de propor alternativas, as tais soluções mais eficazes que as conhecidas para situações de impasse.

É o que chamamos de “olhar viciado”: se caracteriza com a mesma sensação de olharmos um quadro com uma ideia fixa e não conseguirmos enxergar em primeira instância sua mensagem subliminar, ou um significado menos óbvio daquele retrato.

Na educação, recebemos um turbilhão de incentivos ao pensarmos a sala de aula de uma maneira mais significativa para os estudantes. O mesmo acontece quando somos incentivados a refletir sobre abordagens de aprendizagem mais personalizada.

Não faltam provocações ou discursos bem embasados neste sentido. Do outro lado, a angústia que recai sobre muitos de nós educadores, e que é difícil de encontrar respostas, é como realizar na prática essas novas metodologias para promover uma sala de aula mais significativa para todos.

ABORDAGEM PARA A CRIATIVIDADE: DESIGN THINKING NA APRENDIZAGEM PERSONALIZADA

Uma das abordagens que se mostrou muito funcional na criação de soluções eficazes, em diversos mercados, é a metodologia do Design Thinking. Aliás, acaba sendo um caminho bem democrático, pois sua essência está muito relacionada em resgatar a criatividade que já reside em nós, e estimular o formato de pensamento para um processo de empatia, ideação e melhoria contínua.

Quando criança, também somos verdadeiros experts em “investigar” tudo de novo que aparece na nossa frente. Com este olhar, somos movidos pela “curiosidade”, pois queremos conhecer tudo que podemos, “sem julgamentos” ou “associações”.

A investigação, curiosidade, não julgamento e abertura são atitudes imprescindíveis para a prática do Design Thinking, que também resgata habilidades que estão em nossa essência, mas não necessariamente praticamos.

Leia mais: Design Thinking na Educação – caminhos e possibilidades

A falta dessa prática no universo da sala de aula pode nos deixar pouco hábeis quando precisarmos utilizar essa “caixa de ferramentas”.

O Design Thinking na aprendizagem personalizada tem se provado ser altamente funcional em situações de impasse, problemas com soluções complexas, ou a necessidade de repensar uma dinâmica em sala. Essa metodologia não apresenta um “formato certo” de realizar novas práticas, mas sim uma forma de exercitar o pensamento com foco em conhecer melhor problemas e impasses, as pessoas que estão envolvidas nele e do que elas realmente precisam. E a parte mais incrível: trás a tona todo o potencial criativo que já existe dentro de nós.

Leia mais: Design Thinking para educadores

COMO PROPOR ALTERNATIVAS PARA ESSE IMPASSE BEM COMUM EM SALA DE AULA?

Veja o seguinte exemplo: você leciona para o Ensino Médio e está com o cronograma apertado de conteúdos para serem abordados. Ao mesmo tempo, percebe que um grupo de estudantes está com dificuldades de compreender os conceitos que foram dados na aula de hoje, o que irá prejudicar o acompanhamento dos assuntos que virão na sequência. O que deve fazer a partir dessa situação? Como aplicar o Design Thinking na aprendizagem personalizada?

Existem muitas alternativas, e algumas bem conhecidas: encaminhar os estudantes para um plantão de dúvidas e continuar a matéria, sugerir para que eles estudem em casa o que não compreenderam ou compartilhar com a coordenação a possibilidade de atrasar seu planejamento. Todas as alternativas têm sua contribuições e suas dificuldades.

Se fossemos refletir sobre esse impasse com a lente das metodologias de aprendizagem personalizada, seríamos estimulados a buscar soluções que acompanhassem esses estudantes em sua dificuldade, ao mesmo tempo estimulando os demais para um novo desafio. E aí vemos propostas conhecidas como o Ensino Híbrido, a Estação por Rotações e o Modelo Flexível.

Apesar das três sugestões buscarem alternativas que ajudam os estudantes com níveis distintos de compreensão a interagir, isso garante que esses modelos se aplicam nessa forma na sua aula?  Não, pois é essencial saber se você, como educador, está de fato confortável em começar algumas dessas práticas, e deveria também ser capaz de personalizar essas dinâmicas para sua realidade.

Leia mais: Por que metodologias ativas de aprendizagem não funcionam na América Latina?

Uma opção é utilizar o raciocínio do Design Thinking na aprendizagem personalizada como apoio para ajudar na reflexão desse problema, na ideação dessas alternativas para sua realidade, no teste dessa solução, levando em consideração o que eu você já faz e que costuma funcionar bem!

Ainda nesse caso hipotético, você poderia fazer uma pergunta rápida em sala sobre qual a forma que os estudantes mais aprendem estudando após a aula, por exemplo. E descobrir que, na verdade, muitos dos conceitos são esclarecidos quando eles estudam com outros colegas. Ou, nessa pergunta, perceber no meio do caminho que o problema na verdade nem se caracteriza pela falta de compreensão, mas pela falta de tempo de estudo, de fato.

A partir da empatia em investigar mais a fundo o que estava ocorrendo, ocorreu uma ampliação da real situação. Portanto, as ideias que você poderá ter serão baseadas em garantir mais tempo dentro da própria aula para que os alunos pratiquem o que for mais essencial. Durante essas práticas, alguns estudantes ficarão como “monitores” em sala, de forma que eles também tenham um objetivo diferenciado. A partir disso, novas ideias poderão surgir e assim fará sentido compreender se alguma das metodologias ativas podem incrementar este caminho que você está criando em sala. Assim, você poderá decidir que o modelo flexível fará todo sentido, pois, após essa aula, os estudantes com mais dificuldade terão exercícios mais elementares, que os ajudam a suprir a lacuna de aprendizado em um primeiro momento.

Se esse leque de oportunidades te pareceu muito complexo, parabéns – você já está refletindo com a mentalidade de Design Thinking na aprendizagem personalizada! De tudo que foi colocado acima, qual é o passo mais simples que você acredita poder dar na próxima aula? Apenas deixar 10 minutos para que os estudantes tenham tempo de auto reflexão em sala com o conceito mais importante, mesmo que sozinhos? Quando sair de sala, o olhar de investigador e de não julgamento com você mesmo poderá te ajudar a lembrar de refletir sua auto análise sobre essa prática, e de perguntar ao grupo na próxima aula se foi um momento valioso para eles. A partir disso, você poderá aperfeiçoar o que já testou, e avançar na etapa 2 das suas ideias, que poderia ser a disponibilização de estudantes como monitores. Na terceira etapa talvez inclua rotações. E assim sucessivamente.

Lembre-se: quando se sentir inspirado ou estimulado a buscar alternativas para problemas conhecidos, lembre-se que novas formas de pensar fazem parte de um processo seguido por etapas. Você, educador, é a primeira pessoa a ser considerada neste processo, podendo adaptar o que for útil para sua realidade e ser empático e não julgador consigo mesmo, para então aplicar estes valores ao seu grupo. E, quando menos perceber, você já estará praticando uma forma mais significativa de gerir a sala de aula.

Leia mais…

* Paula Gonçalves iniciou sua trajetória com a educação e os negócios de impacto na graduação de Relações Internacionais, quando foi coordenadora do projeto PAS de educação de Jovens e Adultos. Durante os 3 últimos anos na Geekie, contribuiu para a construção das áreas de atendimento e engajamento de escolas. Hoje, Paula facilita workshops na áreas de Sucesso do Usuário e engajamento do Amani Institute, onde também completou sua pós graduação em Gestão e Inovação Social. Também atua como Relações Institucionais da ONG Centros Etievan de Educação Integral para Primeira Infância. Além disso, apoia a equipe Consultoria Pedagógica da Geekie.